O Bom Pastor.

Matteus Almeida
9 min readFeb 27, 2023
Photo by Joe Pregadio on Unsplash

Evangelho de João 10.1–21.

Nos tempos bíblicos, as atribuições de um pastor ao cuidar de ovelhas eram bastante diversas. Naquela época, pastores cuidavam de ovelhas tanto para o seu próprio sustento quanto para o comércio. Dessa forma, as suas responsabilidades incluíam: Guia e Liderança: O pastor guiava o rebanho para encontrar pastos e água fresca. Ele também liderava as ovelhas e protegia-as de predadores e ladrões. Alimentação: O pastor era responsável por encontrar pastos adequados para alimentar as ovelhas, muitas vezes viajando grandes distâncias para garantir que o rebanho estivesse bem alimentado. Cuidado com a saúde: O pastor inspecionava regularmente as ovelhas para identificar e tratar doenças, ferimentos ou problemas de saúde. Proteção: O pastor protegia as ovelhas de predadores, como lobos, leões e ursos, e também ladrões. Contagem do rebanho: O pastor contava o rebanho para garantir que nenhuma fosse perdida. Identificação das ovelhas: O pastor conhecia cada ovelha do rebanho pelo nome, o que permitia uma identificação rápida de qualquer ovelha perdida. Cuidado geral: O pastor se importava com o bem-estar geral do rebanho, ajudando as ovelhas a lidar com o estresse e a fadiga.

Essas atribuições de um pastor ao cuidar de ovelhas nos tempos bíblicos são frequentemente usadas como metáfora para descrever o papel dos líderes espirituais no cuidado do rebanho da igreja.

Semelhantemente ao que foi falado anteriormente (Jo 6 e 8), aqui vemos como a jornada no Deserto (Êxodo) ainda é lembrada por Jesus em seus ensinamentos. Afinal, o Êxodo é um dos momentos mais espetaculares da história do povo de Deus. A jornada de peregrinação no deserto fez com que o povo tivesse uma consciência aguçada da presença de Deus em seu meio, que a companhia de Deus era factual.

Em João 10, Jesus utiliza-se de mais uma metáfora para descrever sua identidade e missão. O pão do céu, a luz verdadeira e agora o bom pastor. Ao intitular-se o Bom Pastor o Nosso Senhor sabia muito bem o que estava tencionando fazer. Na cultura semítica, Deus foi considerado em muitas situações com a figura de um pastor amoroso que cuida do seu rebanho.

Deus é o pastor de Israel (Sl 80.1) que apascentará o seu rebanho; entre os seus braços recolherá os cordeiros e os carregará no colo (Is 40.11), que fez sair o seu povo como ovelhas e o guiou pelo deserto, como um rebanho (Sl 78.52), somos o seu povo e rebanho do seu pastoreio (Sl 100.3), nós somos as suas ovelhas, ovelhas do seu pasto, nós somos o seu povo, e Ele é o nosso Deus (Ez 34.31).

DEUS COMO UM PASTOR E ISRAEL COMO REBANHO

A figura de Deus como pastor e Israel como um rebanho estava muito presente na mentalidade dos judeus. Havia então essa íntima relação entre Deus e seu povo, como um pastor e suas ovelhas.

“Dá ouvidos, ó pastor de Israel, tu que conduzes José como um rebanho; tu que estás entronizado acima dos querubins, mostra o teu esplendor.” (Sl 80.1)

“Como pastor, ele apascentará o seu rebanho; entre os seus braços recolherá os cordeirinhos e os carregará no colo; as que amamentam ele guiará mansamente.” (Is 40.11)

“Ele é o nosso Deus, e nós somos povo do seu pasto e ovelhas de sua mão. Hoje, se ouvirem a sua voz, não endureçam o coração, como em Meribá, como naquele dia em Massá, no deserto, quando os pais de vocês me tentaram, pondo-me à prova, apesar de terem visto as minhas obras.” (Sl 95.7–9)

“Saibam que o Senhor é Deus; foi ele quem nos fez, e dele somos; somos o seu povo e rebanho do seu pastoreio.” (Sl 100.3)

“Vocês são as minhas ovelhas, ovelhas do meu pasto. Vocês são o meu povo, e eu sou o seu Deus”, diz o Senhor Deus.” (Ez 34.31)

Havia então essa íntima relação entre Deus e seu povo, como um pastor e suas ovelhas.

Por outro lado, existiam também os ladrões e salteadores. Jesus afirma que o pastor, o proprietário das ovelhas entra pela porta do curral. Mas o ladrão pula.

O PASTOR CONDUZ SUAS OVELHAS

“AS OVELHAS OUVEM A SUA VOZ, ELE CHAMA AS SUAS PRÓPRIAS OVELHAS PELO NOME E AS CONDUZ PARA FORA.” (JO 10.3)

Em nosso mundo existem muitas vozes que nos chamam e nos convidam para abandonar o caminho correto, há muita mentira que parece verdade. É necessário permanecer atento com o que escutamos, pois no meio dos bons pastores, existem os maus, os ladrões e salteadores. Todavia, as ovelhas ouvem somente a voz do pastor, ele chama e elas respondem positivamente, pois são chamadas pelo nome e conduzidas para fora. É quando conhecemos alguém de fato, reconhecemos pelo tom da voz, ao aproximar-se conhecemos os passos pois são familiares.

Entretanto, existem muitas pessoas que não sabem discernir entre a voz do Senhor e a voz do ladrão. Não conseguem perceber a diferença entre o amargo e o doce, entre lei e graça, entre evangelho e heresia, entre mentira e verdade. Para estes, todas as igrejas são iguais, as pregações comunicam a mesma coisa, e tudo é verdade de Deus. Contudo, as igrejas são diferentes, nem tudo é igual. É tempo de discernir e reconhecer a voz do Bom Pastor para não sermos enganados pelos ladrões.

Em João 10, Jesus possivelmente evoca Números para exprimir a ideia de condução do rebanho para fora do aprisco: “Então Moisés disse ao Senhor : — Que o Senhor , autor e conservador de toda vida, ponha um homem sobre esta congregação que saia adiante deles, que entre adiante deles, que os faça sair e que os faça entrar, para que a congregação do Senhor não seja como ovelhas que não têm pastor. O Senhor disse a Moisés: — Chame Josué, filho de Num, homem em quem há o Espírito, e imponha as mãos sobre ele.” (Nm 27.15–18). Deus retrata a saída do Egito como um pastor que conduz o seu rebanho: “O teu povo, tu o conduziste, como rebanho, pelas mãos de Moisés e de Arão.” (Sl 77.20) “Fez sair o seu povo como ovelhas e o guiou pelo deserto, como um rebanho.” (Sl 78.52)

ATENTOS AO LADRÃO

“MAS DE MODO NENHUM SEGUIRÃO O ESTRANHO; PELO CONTRÁRIO, FUGIRÃO DELE, PORQUE NÃO CONHECEM A VOZ DOS ESTRANHOS.” (Jo 10.5)

As ovelhas ouvem a voz do pastor, pois são chamadas pelo nome e conduzidas para fora. Todas que pertencem ao Pastor saem e são conduzidas por Ele. As ovelhas seguem o pastor porque reconhecem a sua voz. Por outro lado, ao ver o estranho, não o seguirão, antes fugirão, pois a sua voz é desconhecida. É como aconselhamos às nossas crianças, devemos fugir quando estanhos aproximam-se.

As ovelhas que saem e seguem são aquelas que pertencem ao Bom Pastor. Tais ovelhas seguem e se permitem ser conduzidas e lideradas porque conhecem a voz. Não há somente o pastor desejando guiar as ovelhas, existe também o ladrão. Este, por beneficio próprio, deseja as ovelhas. Mas aquelas que pertencem ao pastor não seguirão o estranho, pelo contrário, fugirão dele.

Atualmente os ladrões e salteadores (que podem parecer verdadeiros pastores) afirmam que para ser do rebanho divino não é necessário muito extremismo e “fanatismo religioso”, é preciso abandonar o “fundamentalismo” e viver uma religião mais leve. A moralidade, a espiritualidade bíblica e convicções religiosas ortodoxas são questões ultrapassadas, em tempos hodiernos, para ser aceito pela grande massa é necessário ser “moderno”. Os ladrões não possuem a placa de perigo estampada em suas testas, por isso, estes obreiros fraudulentos desejarão nos tirar do caminho com suas vozes aveludadas, falarão o que queremos e gostamos de ouvir. Porém, estes vivem uma doutrina líquida, espiritualmente vazia, alicerçadas em valores do “politicamente correto”, pois assim são aceitos em todas as “rodas”, lotando estádios e auditórios, sendo recebidos em programas de tevê e aconselhamento as celebridades. Não nos enganemos, o genuíno evangelho não é mainstream.

Os discursos destes obreiros são escorregadios, quando confrontados com as verdades inequívocas da Escritura logo saem pela tangente, dizem: “as coisas não são bem assim (…) é preciso analisar o contexto social da época.” Quando Jesus fez milagres talvez o milagre em si foi a partilha ao invés de uma multiplicação factual ou quando Paulo censurava as práticas pecaminosas não era bem isso que ele estava fazendo, é necessário ver as entrelinhas, as variantes, os escritos da época, o que a sociedade fazia. Afinal, censuras neotestamentárias não são mais válidas para o mundo pós-moderno, é necessário adaptar. Desta forma, o texto bíblico é torcido e forçado a dizer aquilo que desejamos, tais intérpretes estão mais preocupados em ajustar o texto bíblico com suas agendas políticas, uma tragédia.

As ovelhas reconhecem a voz do pastor e não se deixarão ser guiadas por estranhos. Você tem reconhecido a voz do pastor? Onde que está o evangelho genuíno? Todas as igrejas são iguais? E as pregações, são todas iguais ? Não conseguimos ver diferença? Todos são homens de Deus? O pastor fala. Reconheçamos a sua voz.

A PORTA DAS OVELHAS

“EU SOU A PORTA. SE ALGUÉM ENTRAR POR MIM, SERÁ SALVO; ENTRARÁ, SAIRÁ E ACHARÁ PASTAGEM.” (JO 10.9)

Jesus é a porta das ovelhas, a porta da salvação. Então entremos por ela e sejamos salvos, entremos por ela e sejamos cuidados e amparados. Muitos de nós permanecemos parados, imóveis, diante da porta e não atravessamos e não entramos. Notemos que a condição para ser salvo é entrar. Não percamos tempo. Entremos e participemos sem demora do rebanho divino. Quando entramos encontramos pastagem. Não sejamos tolos em permanecer do lado de fora, pois a porta fechará.

O Bom Pastor nos concede descanso para nossas almas, perdão para os nossos pecados, nEle encontramos vida, mas vida com abundância. “Ele me faz repousar em pastos verdejantes. Leva-me para junto das águas de descanso; refrigera-me a alma. Guia-me pelas veredas da justiça por amor do seu nome.” (Sl 23.2–3)

Contudo, todos estes benefícios são somente para aqueles que fazem parte do rebanho divino. Para encontrar águas de descanso e repousar em pastos verdejantes e ter a alma refrigerada, é necessário ter o Senhor como Pastor. A condição é ser do rebanho. Afinal, do que adianta sabermos que Jesus é o Bom Pastor, a porta das Ovelhas, se ainda não somos do seu povo? Ele precisa ser o meu Pastor. São benefícios que adquirimos e recebemos não de ouvir falar, mas por experiência. Não descansemos tranquilo enquanto o Senhor não for o Nosso Pastor.

O Bom Pastor conhece cada uma de suas ovelhas pelo nome, sabe de suas famílias, conhece as suas necessidades e privações, sabe onde dói e onde precisa de melhora. Não sejamos tolos em permanecer do lado de fora, pois a porta fechará. Não nos enganemos o Bom Pastor conhece a nossa vida e por incrível que pareça Ele não nos abandona, não nos deixa de lado. Ele conhece o mais íntimo de nosso ser e ainda assim escolhe nos amar. O Bom Pastor está disposto a deixar as noventa e nove das ovelhas para sair em busca de uma única perdida, ainda que estejamos nos lugares mais sombrios e solitários, nos poços mais profundos e sujos, o Bom Pastor vai nos buscar de volta. Afinal, nenhuma das suas ovelhas será perdida. De todas aquelas recebidas do Pai, nenhuma se perderá. Por isso, “hoje, se ouvirem a sua voz, não endureçam o coração.” (Sl 95.7)

O BOM PASTOR

“EU SOU O BOM PASTOR. O BOM PASTOR DÁ A VIDA PELAS OVELHAS.” (Jo 10.11)

A entrega sacrificial do Bom Pastor é o diferencial diante do mercenário. Jesus faz um contraste do seu ministério com a atuação dos pastores infiéis. Enquanto que o pastor genuíno coloca sua vida em risco para proteger e cuidar do seu rebanho, os falsos pastores apenas usufruem sem responsabilidade de suas ovelhas.

— Ai dos pastores que destroem e dispersam as ovelhas do meu pasto! — diz o Senhor. Portanto, assim diz o Senhor , o Deus de Israel, a respeito dos pastores que apascentam o meu povo: “Vocês dispersaram as minhas ovelhas e as afugentaram, e não cuidaram delas. Mas eu tratarei de castigar vocês por causa das maldades que praticaram, diz o Senhor. Eu mesmo recolherei o remanescente das minhas ovelhas, de todas as terras para onde as tiver dispersado, e as farei voltar aos seus apriscos; serão fecundas e se multiplicarão. Porei sobre elas pastores que as apascentem, e elas jamais terão medo, nem ficarão assustadas; nem uma delas faltará, diz o Senhor .” (Jr 23.1–4) “Darei a vocês pastores segundo o meu coração, que os apascentem com conhecimento e com inteligência.” (Jr 3.15) A advertência aos falsos pastores também ecoa em Ezequiel 34.

Jesus afirma que o Bom Pastor dá a vida pelas ovelhas. Notemos que foi este o ofício realizado anteriormente por Davi (1 Sm 17.34–37), preanunciando o auto sacrifício messiânico (Is 53.12). A morte do Pastor é lamentada e produz mudanças (Zc 12.10; Mc 14.27; Jo 19.37). O Bom pastor nos conduz do deserto deste mundo até a santa cidade, Ele é o nosso guia em toda a nossa jornada espiritual. Ele dá a sua vida por suas ovelhas, esse é o verdadeiro amor (Jo 15.13).

--

--

Matteus Almeida

Missionário no Sertão Cearense. Uso o Medium para salvar os meus sermões e reflexões.